O preço do milho

thumbnail

O preço do milho em Campinas (SP) fechou a quinta-feira, 5, a R$ 54,69 por saca, maior valor nominal da série história do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Ele comenta que em Mato Grosso, as vendas da segunda safra de milho atingiram 70%, contra 45% a 46% no mesmo período do ano passado.
As vendas aceleradas devem evitar qualquer recuo porque esse milho já tem dono”.

O preço do milho está em alta há um mês e de forma quase ininterrupta, acumulando alta de 19,16% em trinta dias, na média das regiões acompanhadas diariamente pelo Cepea.Apesar do período de safra, os preços do milho seguem firmes e em patamares bem superiores aos da temporada 2001/02.
Levantamento da Céleres/MPrado mostrou que o produto teve valorização superior a 100% em regiões como Cuiabá (MT), onde saiu de R$ 9,18 por saca em abril de 2002 para os atuais R$ 22,50 no mercado disponível.

Esse comportamento do mercado se deve, principalmente, à alternativa da exportação, que alterou o patamar de preços para o grão. A desvalorização do real em relação ao dólar estimulou as vendas externas e a paridade de exportação se tornou a referência de preços para o produto.

O motivo é que a fortalecimento recente do real ante dólar e o aumento dos fretes pressionam os preços de liquidação na exportação. Hoje, a referência de preços no transferido do porto de Paranaguá é R$ 19,00 por saca (que equivale a US$ 104 por tonelada para embarque em maio).

As indústrias consumidoras aceitam pagar mais que a paridade porque há demanda, mas não existe pressão de oferta. Fernando Muraro, da Agência Rural, acrescentou que dois anos de desvalorização do real favoreceram os preços do milho.Para a pesquisadora do Cepea/USP, Vânia Guimarães, a estratégia do produtor de não forçar a venda também se deve às incertezas que pairam no mercado de milho.

Leonardo Sologuren, da Céleres, avaliou que a estratégia de reter as ofertas possa significar mais pressão de venda no segundo semestre e conseqüente queda de preços. Outra razão para os preços do milho seguirem valorizados é que nesta época da safra os produtores priorizam a colheita da soja, observou Guimarães.

O preço das opções de venda de milho lançadas pelo governo ganhou importância como referência para o mercado, avaliou Sologuren. No leilão da última sexta-feira (04), a Conab vendeu 5.483 contratos, 29,8% do total de 18.347 contratos (o equivalente a 495 mil toneladas).

Futuros do milho consideram-se um instrumento de cobertura, proporcionando aum número de participantes do mercado a oportunidade de se proteger contra as oscilações bruscas no custo dos produtos. Eles também são uma referência global do valor de preços e fornecem oportunidades para a diversificação da carteira. Você pode analisar ao cotação do milho nos últimos 23 dias, que inclui preços de abertura, preços altos, preços baixos para o dia.

Devemos lembrar que, na safra 2017/18, ocorreram condições climáticas nada favoráveis para a safrinha, resultando em uma produção menor. Ao contrário, neste ano tivemos um plantio precoce de milho safrinha pela colheita também adiantada da soja.

Com a queda desses fatores, já sabemos que há tendência de preço descer no Brasil, sendo que o contrário também é verdadeiro. Por isso, para os próximos meses (julho até setembro), com a entrada de 70 milhões de toneladas de milho pela 2ª safra, são previstos no mercado interno preços nos portos entre R$ 34 e R$ 35.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top